Emancipar, empreender e inovar para progredir


Unecs é parceira do governo federal em ações que promovem a autonomia financeira para os beneficiários de programas sociais

alt

Com a meta de capacitar e emancipar financeiramente famílias beneficiárias do Bolsa Família e inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais, o governo federal lançou em setembro o Plano Progredir. O foco são ações de capacitação, incentivo ao empreendedorismo e acesso ao mercado de trabalho e serão disponibilizados R$ 3 bilhões por ano em linha de microcrédito para o público-alvo investir em pequenos negócios. A ideia é que, com o tempo, os beneficiários possam ter meios de garantir geração de renda própria e independência dos programas sociais do Governo.

A expectativa de Osmar Terra, ministro do Desenvolvimento Social, é emancipar até um milhão de famílias nos próximos dois anos. Para ele, é preciso adotar ações corajosas para enfrentar o desequilíbrio fiscal do país e recuperar sua capacidade de crescer.

“A lei do novo regime fiscal, a reforma trabalhista e a proposta de reforma previdenciária, além da redução da taxa de juros, fazem o Brasil retomar a confiança, produzir empregos e voltar a investir. O Plano Progredir é parte destas iniciativas e faz da inclusão produtiva dos beneficiários de programas sociais uma oportunidade de emancipação econômica e autonomia das famílias”. Segundo o ministro, as entidades que compõem a Unecs, por sua representatividade nacional, podem ajudar integrando a Rede de Parceiros do Desenvolvimento Social e estimulando seus associados a se cadastrarem para gerar oportunidades para a população de baixa renda, contribuindo decisivamente com a redução da desigualdade social e uma sociedade melhor para todos. É um modelo onde todos saem ganhando.

Em um país que conta atualmente, segundo o IBGE, com 12 milhões de desempregados, o incentivo ao empreendedorismo é fundamental para a melhoria da economia. É este o pensamento de George Pinheiro, presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), um das sete organizações que integram a Unecs. “A importância do Plano Progredir é grande, pelo conjunto de ações que visam promover a autonomia das famílias necessitadas. Elas poderão ter um trabalho e renda para tocarem suas vidas, ficando mais independentes das ações oficiais”, argumenta.

O governo defende que com uma adequada orientação para um plano de negócios é possível fomentar microempreendedores individuais, microempresas, empresas de pequeno e médio porte, cooperativas e empreendimentos solidários que gerem oportunidades de inclusão social e produtiva.

Ao discursar na cerimônia de lançamento do Plano, o presidente Michel Temer reafirmou que o Bolsa Família não vai acabar. Ele disse ter a expectativa de que, em um período entre 10 e 15 anos, os programas de transferência de renda não sejam mais necessários em função da evolução e autonomia da população que hoje é beneficiada por eles. “Tenho o sonho de que possamos vir comemorar a desnecessidade de qualquer benefício de natureza individual porque todos estarão empregados no nosso país”, disse.

UNECS

Não só os bares e restaurantes em todo o Brasil irão apoiar o Plano Progredir, mas também as associações comerciais e empresariais, o setor atacadista e de distribuidores, os lojistas de shoppings, entre outros. Isso porque as sete entidades que compõem a Unecs (União Nacional de Entidades de Comércio e Serviço) assinaram, no final de setembro, um protocolo de intenções com o Governo Federal.

Todas irão difundir entre seus associados as diretrizes e oportunidades do Plano Progredir e estimularão as empresas a participar por meio da disponibilização de vagas de emprego aos inscritos. Os parceiros do Desenvolvimento Social receberão currículos selecionados de acordo com os perfis dos candidatos e das vagas; serão reconhecidos pelo poder público como empresas atuantes em ações de responsabilidade social, por meio da contratação de trabalhadores inscritos no Cadastro Único e participarão de eventos promovidos pela Rede de Parceiros.

Segundo o ministro Osmar Terra, o trabalho intermitente é uma inovação da reforma trabalhista que veio para modernizar a legislação e incentivar a criação de empregos com proteção social. “O trabalho intermitente é uma boa opção para as vagas do Progredir, sobretudo porque envolve atividades que atingem diretamente a população dos programas sociais com atividades ocasionais, não contínuas e de rápida capacitação para o desempenho. Com a inclusão pelo intermitente o trabalhador poderá desenvolver suas capacidades e habilidades, buscar uma carreira de longa duração e ampliar a renda de sua família”, diz.

Outro benefício do Plano Progredir é a oferta do microcrédito com juros baixos, que amplia a capacidade de investimento e melhora as condições de sucesso dos negócios, girando virtuosamente a roda da economia. “A população de baixa renda é extremamente empreendedora para superar diariamente suas dificuldades. Com o microcrédito produtivo orientado, que combina crédito com juros baixos, educação financeira e orientações técnicas, poderemos fazer dessa capacidade de resiliência e superação, um momento de autonomia e prosperidade”, finaliza o ministro.

Fonte:
Revista Bares & Restaurantes, edição 119. A reportagem está disponível na íntegra na versão impressa. 

Para assinar a revista, clique  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .


logo_bares_restaurantes